PODIA SER

Pelo espírito: André Luiz
Psicografia de: Francisco Cândido Xavier 
Obra: Marcas do Caminho – Editora: IDEAL

A velhinha que vimos, vergada ao peso do sofrimento, não é aquela benfeitora que nos ofertou o berço na Terra, no entanto, podia ser.
O trabalhador abatido que passou esmagado de angústia, não é aquele amigo respeitável que nos serviu de pai no mundo, mas, em verdade, podia ser.
A criança desditosa, que renteou conosco na via pública, estendendo mãos à caridade, não é nosso filhinho, contudo, podia ser.
O mendigo cansado de abandono, relegado à incerteza da rua, não é a pessoa de nossa casa, entretanto, podia ser.
O doente caído em desamparo e cujo martírio orgânico nos inclina a pensar na desventura dos que vagam sem teto, não é nosso parente consanguíneo, todavia, podia ser.
Diante dos que choram e sofrem coloquemo-nos, de imediato, em lugar deles, e saberemos compreender que toda migalha de bondade e alegria é talento de luz.
Caridade é a benção de Deus em movimento constante. Hoje é a nossa hora de dar, amanhã será o nosso dia de receber.

 

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *