A IMPORTÂNCIA DA AMIZADE

Autor: Jorge Jossi Wagner

O maior dos sentimentos como ensinou e vivenciou Jesus, é o amor. Ele é a somatória de todas as nossas conquistas morais ao longo de nossa trajetória rumo à perfeição possível ao espírito.

Um belíssimo sentimento, bem próximo ao amor é a amizade. Tal qual o amor, a amizade vem sendo declamada e aclamada ao longo dos séculos sem que se tenha a real dimensão do seu significado.

Podemos dizer que a amizade é um sentimento fiel de afeição, de simpatia e de ternura que se nutre por alguém, seja ele um parente ou alguém fora dos laços consanguíneos.

A amizade é a ante-sala do amor. Ela vincula as almas vencendo o egoísmo ensinando que é melhor e mais prazeroso servir do que ser servido.

A amizade confere à sociedade humana uma elevação moral que preenche as lacunas produzidas pelo orgulho, pois, aproximando as pessoas desenvolve o sentimento de afeição e solidariedade que deveria pautar a vida de todos.

Num mundo aonde geralmente o interesse por benefícios vem em primeiro lugar, a amizade coloca equilíbrio nas relações exemplificando de forma positiva que ao nos aproximarmos de alguém se deve visar sempre a solidariedade.

A amizade, de acordo com o seu significado, deve constituir-se num treinamento para maiores saltos de evolução. Quando dispensamos a alguém um sentimento onde não existam outros interesses que não seja o da convivência fraterna e amiga podemos considerar que estamos avançando rumo ao entendimento das lições de Jesus.

A amizade não cobra, não é impaciente, é gentil responsável e consciente. Quem a oferece leva a vida com mais alegria e quem a recebe compreende o seu valor.

Nos dias atuais, em razão da disseminação da violência e da intolerância que aparece em quase todos os lugares, a amizade vai perdendo seu espaço porque as pessoas, fechadas em seu egocentrismo visando apenas lucros imediatos e interesses amorais não lhe dão guarida.

Trancadas em casa, isoladas pelo medo das ruas a solidão empurra as pessoas para dentro de si mesmas impedindo o desabrochar da amizade.

Antes da idade adulta a espontaneidade permite o desenvolvimento sem ressalvas desse nobre sentimento porque ainda não foram instalados ou resgatados antigos hábitos doentios de malicia e interesses escusos. Se preservada após esse período a amizade vai se expressar de variadas maneiras, sempre livre do ranço da arrogância e da soberba.

A amizade vai desabrochando e espalhando seus benefícios em todos os espaços sociais. Na família, lugar ideal para sua propagação e aprendizado produzirá harmonia entre todos os seus membros. Os irmãos podem aparar suas arestas aprendendo a conviver fraternalmente, dividindo os brinquedos, suas tarefas e estudando em harmonia as lições escolares.

Porém, são os cônjuges, responsáveis diretos pelo equilíbrio familiar, aqueles que maiores benefícios podem usufruir da amizade. Aprenderão que a união conjugal vai muito além da libido sexual, pois, o passar do tempo fortalecerá os laços de amizade que permanecerão unindo-os através do tempo e ampliando a família universal.

Quando a sociedade aprender a exercitar e a espalhar o sentimento da amizade, paulatinamente desaparecerão as desavenças, os desequilíbrios, as contendas fratricidas. Prevalecerá a harmonia, a paz, a fraternidade e um pouco mais além todos veremos surgir o amor, o sentimento que nos fará, finalmente, amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a nós mesmos.

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *